=

Prepare-se para entrar em uma zona...: Religião?! Deus me livre!

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Religião?! Deus me livre!

É realmente engraçado ver como as pessoas se tornam intolerantes a partir do momento em que adotam uma religião qualquer. Não é apenas uma postura ideológica, vai além disso. Torna-se algo pessoal, é inaceitável que uma pessoa pense diferente.

Já disse diversas vezes que eu nasci em uma família católica. Estudei em colégio de freiras todo o ensino fundamental e médio. Fui batizado, sem saber que raios era aquilo. Tive que fazer primeira comunhão e durante dois anos ia à igreja, duas vezes por semana e precisava assistir uma missa no sábado.

E a essa altura eu já não acreditava no que estava escutando. Tudo parecia frio e distante demais. Não parecia lógico, nada fazia sentido. É uma atitude até óbvia, já que estava estudando e aprendendo os mais diversos assuntos. Darwin me mostrou que, o que eu já achava demasiadamente forçado, era apenas uma fábula. Newton, Einstein, o casal Pasteur, todos de alguma forma elucidaram dúvidas que antes eram respondidas de uma só forma: "Foi Deus".

Passei a questionar algumas coisas e aí é que vi a verdadeira face dos católicos. Em vez de argumentar e conversar, ficavam irados, esbravejavam que aquilo não se dizia. No melhor estilo era medieval.

E é assim até hoje. Estudei as religiões mais diversas, esperando encontrar uma que me atraísse. Sempre encontrei algo que me fazia discordar desta, ou daquela religião. Eu acho que se você adota uma religião, deve crer nela piamente. Se eu não era capaz de fazer isso, não me sentia à vontade para me dizer católico, ou budista, ou seja lá qual for.

Acabei por excluir todas as que conhecia e cheguei à conclusão que para acreditar em Deus, não preciso uma religião, nem igreja ou padre. Basta acreditar. As religiões divergem em muitas coisas, mas um ponto é essencial em todas elas: a palavra de Deus prega a paz e harmonia.

Elencando os melhores pontos podemos dizer resumidamente que Deus quer que tratemos as pessoas com respeito, sejamos benevolentes com o próximo, sermos solidários e antes de mais nada, verdadeiros.

Eu não precisava de igreja ou religião para fazer isso ou para crer em Deus. Só comecei a achar que Deus, da forma como dizem as religiões, era um pouco demais para mim. Fiquei muitos anos acreditando em Deus à minha forma. Eu nunca rezava ou ia à missa, mas acreditava que fazendo o bem sempre que pudesse, sendo o mais correto possível, e dizendo sempre a verdade seria o bastante.

E para mim, ele era apenas uma forma etérea, sem contornos definidos, uma força misteriosa. Mas não ma entidade que estivesse me olhando o tempo todo, escutando minhas súplicas e me ajudando ou castigando.

Mas se eu acritava em Deus o que houve? É um processo complicado. Eu passei anos nessa lavagem cerebral que diz que Deus existe e está em todos os lugares. "Seja bom, ou Deus castiga", "Graças a Deus", "Deus me livre".

Pois é. São frases cotidianas, que expressam apenas um pesar ou um sentimento de excusa, mas no final das contas elas surgiram porque algum cristão ora atribuía algo bom que tivesse ocorrido a Deus, ora era algo ruim que desejava que fosse afastado dele. Por Deus, claro.

Mas o que esquecem de fazer é dedicar a Ele as coisas ruins também. Afinal, "tudo é obra de Deus". Então, se você quebrar a perna diga sorridente: "Graças a Deus!"

Não? Ah! Isso não foi obra de Deus. Foi culpa da própria pessoa, ou então é "obra do Diabo".

Sei. Então vamos a uma coisa inexplicável. Pernilongos. Esse bicho não presta para nada, não tem um predador natural que se alimente exclusivamente dele, não poliniza flores, não serve para nada e ainda chupa sangue deixando o local coçando e de quebra, espalha doenças. É obra de Deus.

Um bicho que não tem utilidade nenhuma, não traz benfício nenhum, ao contrário, só traz prejuízo, foi feito para que?

Bom, Deus deve ter senso de humor. Deve ser isso.

O fato é que esses pequenos exemplos, são apenas uma ponta do iceberg para mim. Essas dúvidas, geram outras, que geram outras, e no final você percebe que a resposta óbvia é que Deus não existe. Como poderia?

Por exemplo, como é possível acreditar em um ser que está em todos os lugares ao mesmo tempo? Que observa um a um, todas as pessoas e castiga os que são maus e gratifica os bons?

Heim? Deus? Não, não. Agora estou falando do Papai Noel.

Mas é verdade. Eles são a mesma coisa. É o mesmo modus operandi. E eu deixei de acreditar em Papai Noel faz tempo. Não entendo como continuei a acreditar em Deus tanto tempo a mais.

Só que a coisa não é tão simples. Infelizmente aqueles que acreditam em Deus, nunca fazem o que pregam. Enchem a boca para falar "as palavras de Deus", mas é só para poder usar frases de efeito, porque virando as costas, falam mal dos outros, são egoístas, se acham no direito de obrigar os outros a pensar da mesma forma que eles, são hipócritas a ponto de achar que somente a visão deles é correta.

Claro que, como em todas as sociedades e grupos de convivência, deve ter algum cristão que realmente age da forma como prega. Que segue a religião. Pena que a grande maioria não é assim.

É triste ver que, se eles agissem da forma como dizem que se deve agir, o mundo poderia ser um lugar muito melhor que é hoje. No dia em que perceberem que ser um católico não é ter um adesivo com o Cristo cruxificado no carro, ou então com o perfil de nossa senhora, nem tampouco é saber a Bíblia de cor, ou passar 3h por dia rezando.

É fazer aquilo que se prega, se honesto, ter respeito pelas pessoas, pelos pensamentos diferentes, aceitar que outros sejam diferentes. Fazer o certo, porque é certo e não porque alguém disse "Fazei e serei aceito nos céus".

Gosto muito de blues e tem uma música que eu acho fantástica. O refrão é um conselho que todos deveriam seguir. É assim:

"Before you accuse me, take a look to yourself..."
"Antes de me acusar, olhe para si mesmo..."


0 Comentários: