=

Prepare-se para entrar em uma zona...: Made in China

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Made in China

Já faz quase um ano que estou trabalhando como consultor. A coisa não vai no passo que eu gostaria, mas está andando e estamos fazendo algumas mudanças para tentar acelerar o processo.

Em contrapartida há alguns benefícios como almoçar em casa todos os dias, não pegar trânsito, poder acordar 1h antes de começar a trabalhar e ainda chegar cedo depois de tomar café da manhã com calma. Claro que sempre tem um vizinho ou outro sem noção, educação ou audiçao que insisti em compartilhar com você o último grande sucesso do repeat always do seu i-Pod.

Mas isso é contornável.

Contudo, às veses sinto falta dos colegas de trabalho e do relacionamento com outras pessoas, outros departamentos. Não tem a enchação de saco, mas também não tem o papo na sala de café, que pode ser rápido mas sempre é divertido, e é claro, as brincadeiras entre os colegas.

Ah! Isso realmente faz falta, para quebrar a monotonia. Como uma vez em que um amigo resolveu comprar um celular novo. Bom, ele sempre comprava um celular novo. Gostava de dizer que tinha o último modelo, afinal, era do TI.

E como era do TI, não queria pagar o preço de loja, ia encontrar um site ou alguma forma de trazer o celular de fora por dois terços do valor.

De tanto fuçar achou um site que prometia trazer qualquer equipamento da China a preços módicos. Procurou, procurou e achou o aparelho que queria. E olha, melhor do que ele esperava. Era pela metade do preço de loja.

Chamou um amigo, que além de trabalhar com ele, já era companheiro de infância e de muitas aventuras, para perguntar sobre o site.

-Cara, você conhece esse (site)?
-Claro! É da hora! Pode comprar que esse (aparelho) é muito bom!

O que está entre os parêntesis no diálogo acima, não foi dito por nenhum dos dois e assim começou a confusão porque um, achando que se tratava do aparelho disse para comprar sem susto, o outro acreditando que o amigo falava sobre a idoneidade do site... Comprou.

As semanas passaram e nada do aparelho chegar. Caiu na fatura do cartão, ele pagou e nada do aparelho. Quase todo dia ele ligava para o número que constava no site como SAC. Além do speech em infinitivo ele também sempre escutava que o aparelho estava chegando. Que vai chegar.

-Olha aí cara, tá vendo? É culpa sua. você me indicou esse site e os caras me engambelaram.
-Eu?!?! Quando eu fiz isso? Acha que eu ia comprar num site desses?
-Como assim?! Foi aquele dia que eu te perguntei o que você achava e você disse: "É da hora, pode comprar!"
-Eu estava falando do aparelho. Caraca! Você achou que eu estava falando do site? hahahahahaha!

Nesse momento todos no setor foram unânimes no comentário sobre a compra: Hahahahahahahahaha!

Após uns 10 minutos de furioso debate sobre a inconsequente compra feita pelo colega, era de se esperar que isso não passasse com o tempo. Todo dia e para tudo que acontecia a solução era "comprar num tal site da China".

Um dia, o tampinha que era dono do fantasmagórico e mitológico celular, se vira e diz com lágrimas nos olhos:"Tá certo. Vou dizer uma coisa. E é para todos vocês"- dizia apontando para cada um de nós -"Se algum de vocês conseguir ligar lá e fazer esse celular chegar, eu dou R$100,00 na hora".

Virou-se e foi ninguém sabe pra onde, porque ele estava indo ao CPD que ficava do outro lado para onde ele se dirigiu.

Comentamos que aquilo realmente estava passando dos limites, afinal ele não estava mais bravo com a situação, ele já estava triste.

Comovido, fui buscar algumas informações sobre o site. Em vez de achar algo útil a ele, encontrei um cara que em algum outro lugar do mundo, também comprou um celular nesse site. Só que o caso dele era diferente. Ele recebeu o aparelho, mas chegou com defeito e eles não queriam trocar. Para provar que ele comprou o aparelho lá, ele escaneou o invoice que veio na caixa.

Aí não resisti. Como o invoice estava em boa resolução, editei no photoshop para que o nome do destinatário ficasse parecido com o do meu amigo. Imprimi e fiz uma caixa de papelão. Coloquei umas revistas no fundo para ficar mais pesada e imprimi e recortei um aparelho de celular gigante o maior que consegui em uma folha A3. E coloquei lá dentro.

Do lado de fora, imitei alguns carimbos, fiz algumas anotações parecidas com ideogramas em um canto da caixa e colei um plástico com o invoice falso na frente. Esperei até que ele fosse para fora do andar e fui até a recepção.

-Quando ele voltar entrega isso, deste jeito, ok? Diz que a recepção lá de baixo mandou agora aqui pra cima.
-Ah, tá bom. Pode deixar.

A recepcionista era fantástica. Muito bonita, simpática e sempre prestativa. Claro que, se ela soubesse o que era, não teria entregado.

Nós esperamos já com todos os celulares que filmam a postos. Nós sabíamos que ele iria querer vingança pelas piadas que fizemos e ia pedir para filmar ele recebendo.

Aí ele entra. Mal pude ver a cabeça dele por cima das baias mas o sorriso na cara dele eu pude ver.

Ele entrou no setor radiante.

-Não disse que ia chegar? Não disse? Eu disse! Eu disse! Vocês ficaram me zoando! Olha só! Tá AQUI Ó!

Nessa hora eu fiquei feliz por não termos feito um bilhete falso da MEGA SENA. E ele apontava, um a um e dizia que tava todo mundo errado.

-Filma aí! Pode filmar que é para eu mandar para todo mundo que me zuou!
-Opa! Claro! Pode deixar!

É claro que já estávamos filmando fazia tempo.

Ele soltava uma risada malévola enquanto ia abrindo a caixa. Arrancou o plástico com o invoice e jogou num canto, tirou a fita adesiva e... Ficou branco.

Olhava para dentro da caixa e para nós que a essa altura já não estávamos mais nos segurando e ríamos a plenos pulmões.

-Caras... Vocês... Vocês me zuaram...?

E então ele puxa lentamente lá de dentro o celular de papel gigante que eu fiz.

Eu achei que ele ia ter um ataque cardíaco naquela hora. Mas ele só deu um sorrisinho amarelo e prometeu vingança.

Ah! Esse é o tipo de coisa que fazia valer a pena trabalhar lá!


0 Comentários: