=

Prepare-se para entrar em uma zona...: Setembro 2010

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

It´s the Eye of Tiger!

Esses dias fui ver Os Mercenários. Filme divertido, despretensioso, nenhum roteiro digno de prêmio da academia, mas um bom filme para quem quer diversão e uma desculpa para comer um balde de pipoca. Sem manteiga, já que a minha companhia, que importei do litoral para ver o filme comigo, não gosta.

Uma coisa que chama a atenção é que o Stallone, com seus 64 anos, tá em forma, todo definido, sem pelanca. Claro que atores de hollywood tem acesso a boas academias e bons... Digamos, acessórios. Mas mesmo assim o cara tem 64 anos. Eu tenho 30 a menos e me sinto uma geléia.

Alguns meses atrás, extraí um siso. Ainda não extraí o outro porque a dormência ainda não passou completamente e se eu ficar com o outro lado igual não conseguirei falar nada sem que o meu interlocutor esteja com capa de chuva e guarda-chuva. O lado bom é que eu perdi 4 Kg.

Fiquei bastante animado porque eu já esperava perder peso. No auge dos meus 18 anos, eu estava em excelente forma física. Nunca tive muita massa muscular, nem barriga de tanquinho, mas tinha tônus muscular. Às vezes ganhava uns quilos a mais, a gordurinha aparecia na barriga, mas era só emagrecer e já dava para ver os músculos do abdômem por baixo da pele.

Eu praticava Kung-fu e fazíamos mais de 200 abdominais e 150 flexões de braço em cada aula. Claro que não tudo de uma só vez, mas de 50 em 50 fazíamos bem mais que isso, sem contar os exercícios do próprio estilo, que chamávamos de "kati".

Eu tinha grande flexibilidade, muita agilidade e a musculatura em dia.

Quando perdi os 4Kg, me lembrei disso. Na minha adolescência era só perder o peso extra que já dava para ver o músculo sob a pele. Às vezes eu precisava dar uma esticadinha nela, que leva um pouco mais de tempo para voltar ao normal, um curvadinha no tronco para a frente, contrai o abdômem e lá estavam eles. Nunca bem definidos, mas estavam lá.

Dessa vez, fui para a frente do espelho, certo de que os encontraria por lá. Talvez um pouco menos proeminentes, mas deveriam estar lá. Me estiquei todo e nada.

Contraí o abdômem, girei o tronco de um lado para o outro e nada. Comecei a puxar a pele para os lados... Nada.

Resolvi ajudar inclinando para a frente, assim o músculo contrai mais e ganha um pouco de volume. Nada. Nem uma leve saliência. Contrai daqui, contrai dali, estica a pele e finalmente, soltei um pum!

Afe! Ainda bem que estava sozinho em casa. Janelas e portas abertas, quarto arejado e novamente habitável. Fiquei pensando: "Caraca! A coisa tá feia". Perdi peso, mas não sobrou nada embaixo da pele. E quando você emagrece e percebe que estava melhor quando era gordo, a situação tá feia.

Então resolvi tirar a poeira de uns pesos que tenho em casa. Dois pequenos de 2Kg cada, que minha tia usava para fazer uns exercícios que preveniam a tendinite. E um de 8Kg que já tenho faz tempo e que usava antes para fazer um pouco de exercício para os braços.

Comecei com os pequenos. Para aquecer e também porque o meu ombro direito dá umas estaladas de vem em quando e minha prima que é fisioterapeuta disse que eu deveria evitar os movimentos que o faziam estalar e que alguns exercícios leves poderiam tonificar o músculo e assim dar mais suporte ao ombro, diminuindo o estalo.

Lá fui eu. Elevando até a altura do ombro para não forçar a articulação. Primeiro lateralmente, depois à frente. Fui alternando até que senti o deutóide queimar. Tinha feito umas 15 repetições.

Credo! Tava pior que imaginava. Vou dar um tempo para o braçio descansar e pego o grande.

1, 2, 3, 4, 5... 6... ARGH!

Troco de braço. A mesma coisa. Não passo de 6.

Beleza, vamos fazer um pouco de abdominal então. A tv sempre está ligada. Uma pena que não estava passando Rocky. Na sequência de treino dele sempre dá ânimo para fazer mais e tentar acompanhar o velho (na época não tão velho) Sly.

Mas vamos com o que temos. E lá vai 1, 2, 3, 4, e estava indo bem. Até que o 10 chegou e com ele descobri que os músculos abdominais estavam lá sim, ou era algo mais que doía e queimava feito o inferno.

Pelo jeito dessa vez vou precisar de toda a hexologia do Rocky para me colocar em forma. E dá-lhe Eye of Tiger!


quinta-feira, 2 de setembro de 2010

The Expendables

De vez em quando algumas coisas boas acontecem. Ainda bem, porque nessa onda de arrumar uma casa, arrumar emprego ou abrir uma franquia, as coisas parecem que sempre estão contra você. E um pouco de diversão é imprescindível, eu sempre digo isso, mas às vezes eu mesmo acabo deixando de lado.

O cansaço vai se acumulando, as coisas parecem empacar e você não sabe porque. É porque você está tão imerso naquela situação que já não consegue mais encontrar uma saída e fica dando voltas e voltas no mesmo lugar.

Eu sempre participo dos concursos culturais da Fábrica de Quadrinhos e vira e mexe, ganho alguma coisa lá. Participei dos concursos para ganhar ingressos do filme "Os Mercenários (The Expendables)" e "A Origem (Inception)", mas não ganhei nenhum.

Que pena. Queria ver esses filmes e agora, como terei que pagar para vê-los, serei obrigado a escolher um só ou esperar sair em DVD. E provavelmente terei que ir sozinho, porque não tenho muitas opções para convidar para um cinema.

Aqui vale uma observação curiosa. Eu não gosto de ir ao cinema sozinho, então fico procurando quem queira ir comigo. Minhas filhas são pequenas para ver os filmes que quero e eu gosto de vê-los legendados. Só que meus amigos estão todos namorando, a maioria casados.

Me sinto meio estranho indo só eu e um casal de amigos, parece que estou segurando vela. Então, apelo para algumas amigas, que estão solteiras e que não se importariam de me fazer companhia. Bom, pelo menos eu acho que não.

Não entendo bem o porquê, mas eu devo passar sempre a impressão de que estou apaixonado pelas minhas amigas. E elas automaticamente se esquivam, ou elegantemente dizem que não estão a fim ou que somos só amigos. E eu fico tentando entender qual a razão de terem dito aquilo.

Por exemplo, quando as chamos para sair e fazer qualquer coisa, jantar ou dar uma volta, é bem simples e normalmente elas aceitam. Mas é só eu perguntar se querem ir ver um filme e ficam mudas. Parece que ficam pensando se aquilo quer dizer algo mais, se eu estou querendo algo mais... Bom, até pode ser, mas eu separo bem as amizades, porque senão você não pega e ainda perde a amiga. Ou é só bobagem minha, vai saber.

Para esses casos eu deixo que elas façam o primeiro movimento. Quer dizer, o primeiro, o segundo e às vezes um terceiro porque eu quero ter certeza de que não estou confundindo as coisas e nas primeiras vezes não vou entender o recado, pode ter certeza.

Aí nesse meio tempo eis que chega em casa um envelope da FdQ. Quando eu abro vejo que há dois convites para Os Mercenários. Não entendi nada, vi a lista de ganhadores no site. E eu não estava lá. Aí lembrei que quando eu ganhava alguma coisa, eles me mandavam um e-mail pedindo para confirmar os dados e se isso não fosse feito em um determinado prazo, o prêmio seria enviado a outro participante. Neste caso, eu!

Sorte minha! Mandei um e-mail para uma amiga. Não respondeu. Nada de mais, às vezes ela faz isso, quando está muito ocupada. Aí, depois de uma semana, mais ou menos, mandei outro sugerindo uma data.

Ela respondeu que não poderia por várias razões. Mas eu adoro ela e não fico chateado. Ficaria se estivesse pensando em ficar com ela, mas eu só queria uma boa companhia. Comentei com outra amiga o que aconteceu e ela achou muito engraçado.

Ela está em outra cidade, mas quando eu perguntei se ela queria ver o filme, aceitou na hora. Legal, marcamos em um lugar que ficasse fácil para ela chegar e depois para voltar para a casa dela.

Eu vi muita gente fazendo o maior escarcéu por causa de uma piada que o Stallone fez sobre o Rio. Ora, façam-me o favor! Primeiro porque ele não disse nada de mais, segundo porque aqui acontecem coisas muito piores e mais sérias e ninguém diz nada. Ou vocês acham que a Dilma estaria em primeiro lugar nas pesquisas se o povo brasileiro fosse consciente?

Bem, deixando questões políticas de lado, achei uma piada quererem boicotar o filme por causa disso.

O filme é bom. Não é nenhuma obra prima, mas também ninguém achou que um filme com esse nome e com esse elenco seria uma viagem introspectiva pelos aspectos mais complexos da psiquê humana, não é?

A Giselle Itié faz uma particpação legal. Eu achei que ela faz inglês bem demais para quem é nativa de uma ilha que fala espanhol, mas quem liga para isso quando ela aparece?

O filme é divertido, tem umas boas piadas e o velho Schwarznegger faz uma ponta divertida no filme.

Não gostei do Cinemark do Shopping Santa Cruz. O cinema estava com o chão grudento e metade da sala estava isolada com uma fita. O banheiro estava sujo e cheirando urina. Estranho. Nos outros Cinemark que fui eram bem diferentes.

Saindo do filme ainda aproveitamos para dar uma volta no shopping. Fomos à escada rolante e lá havia uma senhora parada logo na ponta. Achei que ela estava procurando por alguém no andar de baixo, mas logo que nos aproximamos ela perguntou:
-Vocês sabem onde tem uma escada que não se mexe?
-Heim? - eu nem tinha entendido a pergunta mas a minha amiga, que trabalha em um hospital e atende velhinhos que vão fazer um tipo de exame, logo estendeu a mão.
- Não precisa ter medo, pode vir! É só dar um passo para a frente. Olha!
E deu um pulinho e estendeu a mão de novo para a senhora, que trêmula, a segurou e meio insegura esticou a perna para entrar na escada rolante.

Com um passo e quase enfartando ela entrou na escada rolante, mas estava com medo e desceu mais uns degraus para ficar mais perto da minha amiga, que segurava firmemente a mão dela.

-Viu? É fácil. Pode ficar tranquila!
-Ai. Eu tenho tanto medo. Essa escada fica se mexendo! Eu prefiro as que ficam paradas!

Eu queria saber como ela chegou ao terceiro andar.

No fim da escada, ela saiu com um pulinho e foi feliz da vida procurar uma escada que não se mexia para descer até o térreo.

Uma tarde bastante divertida.