=

Prepare-se para entrar em uma zona...: Agosto 2009

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Macarons - Parte 2

Eu já estava começando a ficar desesperado. "Será que eu sonhei? Ou foi uma alucinação? Não pode ser, era perfeito demais, até entrei na loja", pensava comigo mesmo enquanto procurava uma terceira ponta do corredor.

Não sei se a minha amiga já estava pensando em passar na farmácia mais próxima para comrpar Gardenal para mim, ou se achava graça daquele cara mais perdido que bala em tiroteio, conferindo incansavelmente as duas pontas do corredor, na qual os garçons e màitres dos restaurantes observavam com certa curiosidade aqueles dois passando de lá para cá e de cá para lá.

Para minha sorte, achei um lugar em reforma. Era na esquina oposta ao que me lembrava mas enfim, era a desculpa perfeita.

Assim, pelo menos minha amiga não ia ficar achando que eu inventei essa história só para sair com ela. Putz! Já pensou que mancada? Não. Não consigo aceitar isso.

Numa última tentativa saímos do corredor de restaurantes e fiquei olhando e procurando algum lugar onde aquela doceria pudesse ter se escondido. Não era tão pequena a ponto de caber em qualquer fresta. Ao menos um papelote de doce eu deveria encontrar, perdido no chão como se fosse uma pista que leva ao ídolo sagrado de ouro.

Bom, o ídolo não encontrei, mas aquela bola gigante de pedra veio impiedosamente massacrar minhas últimas forças e me fez cair na real. Minha amiga já devia estar cansada de rodar pelo mesmo local tantas vezes.

"Puxa. Não acredito, mas deve ser aqui" disse eu apontando para a loja em reforma, inconformado e com a maior cara de pastel possível.


quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Macarons - Parte 1

Na primeira vez que eu li essa palavra achei que alguém tivesse escrito "Macarrão" errado. Mas logo descobri que trata-se de um doce francês que é composto por duas bolachinhas e um recheio de creme.

Pela foto aquilo parecia muito bom. Eu pesquisei um pouco e descobri uma receita que parece bem interessante. Como eu gosto de cozinhar e tenho certe preferência por doces, estou sempre procurando receitas de doces diferentes.

Algum tempo atrás, por exemplo, matei uma vontade que me perseguia desde a infância. Sempre via nos desenhos uma torta de maçã, ou de blueberry (para mim eram amoras, só beeem mais tarde descobri que eram mirtilos) mas ninguém sabia fazer aquela torta fechada. A torta de maçã da minha mãe é fantástica, mas bem diferente.

Graças à globalização da informação via internet e com a ajuda do Google, achei uma receita bem tradicional e o resultado foi excelente. Bom, pelo menos o pessoal lá em casa gostou. E ficou igualzinha.

Aí, não poderia ser diferente com os tais Macarons. Achei a receita, encontrei todos os ingredientes, inclusive uma tal "farinha de amêndoas" que eu nem fazia idéia que existia. E o pior é que é bem comum.

Mas antes de fazer, achei melhor provar alguns para saber como eles devem ficar. Sem querer achei uma doceria, ou melhor, uma "Patisserie"! E lá, no meio de uma infinidade de obras de arte em açúcar e cia, estavam os tais macarons!

"Legal", pensei, "finalmente saberei como deve ser um macaron". Mas aí olhei o preço e eram pouco mais de R$3,00 cada um.

"Hmmmm... Por esse preço é melhor valer a pena."
Estava quase comprando quando pensei "peraí. Mesmo sendo bom, seria legal ter mais alguém comigo. Até porque se for ruim, vamos ter motivo para umas boas risadas e outros doces".

Voltei para casa pensando em todas as possibilidades que tenho e sobrou para uma amiga minha. É uma pena, mas com ela não passa da amizade mesmo, mas mesmo assim adoro a companhia dela e a chamo para sair de vez em quando.

"Oi, tudo bem? Você conhece um doce chamado macaron?"
"Ah, uma amiga minha fala muito desse doce. É bom?" - Opa! Já tinha a minha deixa.
"Não sei. também gostaria muito de provar. E achei uma doceria que tem. Vamos lá?"

Ela aceitou e como é de praxe, ficamos marcando e remarcando isso por mais de um mês. E ao contrário do que possam pensar, não é desgastante. Pelo contrário, é até engraçado como somos atrapalhados e as coisas pipocam justo quando queremos marcar um dia para sair.

E finalmente fomos lá. Normalmente escolhemos um lugar onde podemos jantar e ficar jogando conversa fora até o lugar quase fechar e, gentilmente, nos expulsarem de lá. Mas nesse dia optamos por um lanche mesmo, já que o grande evento da noite seriam os macarons.

Bom, no meio do papo, quase esquecemos deles. Mas lá fomos nós dois provar os tão afamados macarons. Fomos conversando e como era eu quem conhecia o lugar, indiquei a direção e fui tranquilo, certo de que no final do caminho estaria a Patisserie.

Mas aí o corredor foi terminando e nada da tal patisserie.

"Hmmm... Acho que dever ser daquele lado...", disse eu com aquela mesma certeza de pai que está olhando o ultrassom e confirmando para o obstetra que ele consegue ver a cabeça do nenê naquele monte de chuvisco.

E lá fomos nós para o outro lado do corredor. E também não era lá.

"Mas que diabos..?! Um corredor só tem duas pontas, a patisserie tem que estar aqui em algum lugar", e lá fui eu arrastando a minha amiga pela segunda volta no corredor de restaurantes.